27.11.07

A fonte está a secar

Um revelador artigo no site da Sky News deixa ver parte do gato escondido, cujo rabo nos fartámos já de ver a abanar, por essa Internet fora (e não só). O fundo para encontrar Madeleine, onde cidadãos comuns têm despejado dinheiro está a diminuir. Mas a Sky News, na sua desesperada tentativa de manipular a realidade, mete a pata na poça. Nada de admirar, para quem tem jornalistas do calibre do anormal do Martin Brunt, um imbecil que chegou a Portugal e começou por insultar todos os jornalistas portugueses, à excepção de um (quem será essa alimária, tão apreciada pelo idiota do inglês?). Escreve o Alex Watts que o fundo do casal McCann recebia cerca de 450 mil libras por mês, ao princípio. Agora, recebe cerca de 30 mil libras. O fundo tem pouco mais de um milhão de libras, de acordo com o que está no site oficial (o tal que está registado em nome de uma empresa anónima, embora um ex-aluno da irmã do Gerry, o Callum McRae, filho de um polícia britânico, alegue que foi ele que construiu o site e que faz a sua gestão…).

Mas em Setembro, Esther McVey, colega de escola dos McCann, ex-apresentadora da cadeia de televisão britânica GMTV e gestora do fundo, revelou que cerca de um terço desse milhão de libras já tinha sido gasto. O patarata do Alex Watts vem agora afirmar que a maior parte do milhão de libras virtual (uma vez que existe apenas como referência, no site oficial do casal McCann) será gasta com a empresa representada pelo mentecapto do Francisco Marco, o alegado detective espanhol que garantia, há uma semana, saber quem tinha raptado a Madeleine e onde estava ela, numa reportagem especial emitida pela TV. Não se percebe porque é que o mentecapto do detective ainda não foi buscar a criança. Ou se calhar percebe-se. Não deve ser isso que está no contrato com os McCann…

Portanto, dois terços do fundo já foram ao ar. Em quê, ninguém sabe. Para além de viagens do casal, mais uns posters rascas, em folhas A4, impressos pelo Gerry num computador emprestado que se esqueceu de devolver ao dono, nada mais foi feito por este estranho casal, em matéria de campanha para encontrar Madeleine. A Sky News não fala do custo da contratação da Control Risk Group, uma empresa de mercenários que funciona sob a capa de empresa de segurança, e que está a trabalhar para os McCann desde Maio. E a Sky News alega que a Método 3 vai ser paga com dinheiro do fundo. Mas o pretenso detective mais a sua mãezinha revelaram que é Brian Kennedy, um dos milionários de estimação dos McCann, que paga as despesas com a Método 3. O senhor já pagava os salários dos advogados (incluindo o nosso mui ilustre e bem pago bastonário da Ordem dos Advogados, Rogério Alves, que se presta ao papel vergonhoso de dar cobertura a uma campanha xenófoba contra Portugal) e o ordenado desse troca-tintas que dá pelo nome de Clarence Mitchell.

Sinais mais do que evidentes de quem vem aí desastre. Já em Setembro vários homens de negócios britânicos se tinham recusado a dar dinheiro para o fundo legal de defesa do casal, então suspeitos do desaparecimento da filha. Na mesma altura, os gestores do fundo recusaram-se a permitir que o dinheiro fosse utilizado para pagar aos advogados do casal. Agora, sabe-se que vários outros milionários estão com um pé fora do comboio, e ameaçam sair antes do Natal. Como tudo isto vai dar raia, o “Comical Clari” (assim chamado em homenagem ao ministro da Informação de Sadam Hussein, que estava a derrotar as forças americanas com os blindados do Tio Sam a virar a esquina) anda numa fona, a telefonar aos Media ingleses e a preparar terreno para a grande bronca: o fundo afundou-se completamente...

Sem comentários: