5.6.08

Um detalhe curioso


O seu a seu dono. Foi uma das minhas simpáticas leitores que levantou a questão, num comentário colocada numa das minhas páginas. Madeleine Mccann desapareceu há mais de um ano. Dezenas de milhares de notícias foram publicadas e os pais deram centenas de entrevistas. Os amigos dos Mccann falaram com centenas de jornalistas, a maioria das vezes em “off the record”. Jane Tanner deu uma entrevista à TV, explicando pormenores do seu alegado avistamento de um hipotético raptor, transportando uma criança com um pijama igual ao de Maddie.

Nos textos que tenho arquivados, ocupando mais de 2 gigabytes de memória do meu computador – com backups de segurança – não encontrei uma única referência a um detalhe. O grupo dos Tapas tinha combinado um esquema de vigilância rotativa, com cada adulto a ir, regularmente, ao edifício onde todos eles estavam alojados. Nessas deslocações, verificavam se todas as crianças estavam bem.

Mas de quantas crianças e apartamentos estamos a falar? Havia pelo menos mais dois casais com crianças a dormir nos respectivos apartamentos. Gerry McCann, por exemplo, nunca refere se foi ver Madeleine, pela última vez antes de Kate dar o alarme do seu desaparecimento, antes ou depois de ir aos outros dois apartamentos confirmar se tudo estava bem. Aliás, o pai de Madeleine – que eu tenha reparado – nunca referiu ter ido a outro dos apartamentos onde dormiam os filhos dos amigos. Interessante.

E Jane Tanner diz que saiu do Tapas para verificar se a filha estava bem, cruzando-se com Gerry Mccann, na rua, em amena cavaqueira com um outro hóspede do resort. Porque razão Jane Tanner foi ao seu apartamento, se Gerry Mccan tinha saído da mesa há pouco tempo, exactamente para fazer a suposta ronda pelos vários quartos onde as crianças dormiam? Afinal, havia um sistema rotativo de controle, combinado entre todos os adultos, como o grupo dos Tapas garantiu, desde início? Ou cada casal era responsável por vigiar apenas as suas própias crianças, como disse Diane Webster, a mãe de Fiona Payne, nas suas declarações à Polícia?

2 comentários:

astro disse...

Bom dia Paulo, é uma questão que foi levantada várias vezes no nosso pequeno 'message board' - se a simples vigilância do apartamento 5A, que supostamente continha três crianças, originou o vai-vem de gente que vimos referido em tantos jornais, cá e lá, imagine-se o corropio de gente, rua acima rua abaixo, se metermos mais dois ou três apartamentos 'ao barulho'. Fica-se sem saber, não só como seria possível um rapto no meio de tanta barafunda, mas também como é que alguém conseguia jantar - devia ser a Dianne Webster, sozinha à mesa, enquanto o resto do pessoal andava para trás e para a frente. A senhora há-de ter bom beber, hein?!

Cumprimentos e continuação das melhoras - e bom trabalho!

Outono disse...

O detalhe tem a ver com o esquema rotativo?Supostamente rotativo?